quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Neste abraço

E se eu pudesse, assim, unindo meu coração ao seu transferir tudo o que há de bom aqui? E seu eu pudesse, assim, unindo o meu coração ao seu receber tudo o que há de melhor aí? E neste abraço dizer que eu sei que você sorri porque assim com os olhos apertadinhos as lágrimas escorrem mais depressa. E a frustração dura um pouco menos. E neste abraço te dizer que eu ainda espero. Assim sem falar nada. Sim, eu ainda confio. Eu ainda acredito que tudo vai ficar bem. Vai acontecer! E até lá, até este dia chegar - e ele virá - eu estarei aqui. Mesmo longe, eu estarei aqui. Neste lugar onde não existem paredes. Onde construímos pontes que nos levam pro possível. Pro agora. Pro presente. Pra este lugar que você tanto ama. Que não garante que existirá amanhã. Este lugar cheio de incertezas. Cheio de surpresas. Aqui. Logo aqui. Bem na sua frente. Pronto para ser descoberto. Pra ser muito bem vivido. A única coisa real. O agora. Onde não há tempo para a espera. Apenas para a ação. Um braço. Outro braço. E assim, coração com coração, todo o nosso tempo. A nossa única certeza. O nosso agora.

5 comentários:

Carol disse...

Que bunitezaaaa! =D

Malu disse...

Como diz o MINERIM - QUEM ABRAÇA SEMPRE TRAZ UM PEDACINHO DO OUTRO CONSIGO.
Que haja muito abraço assim, desse jeito - carregado de boas energias...
Abraços

Anônimo disse...

Como sempre, fantástico! Um beijo.

O Divã Dellas disse...

Menina, por que vocês escrevem tão pouco? E que história é essa de ser uma péssima blogueira? Nada de péssimo há aqui. Podem ter certeza!!


Kézia, deixa eu te contar uma breve história...

Há muitos anos atrás eu me apaixonei por um rapaz, ele era noivo e era só mais um, dos muitos, amores platônicos que eu já tive.
Eu gostava dele em silêncio e ele retribuía idem.
Um dia nos encontramos num evento onde ele estava trabalhando e foi mágico, ele veio andando na minha direção, olhando nos meus olhos e eu fiquei estática, vendo-o se aproximar sem saber o que fazer, na verdade eu nem conseguia pensar. Só fitava-o nos olhos e para mim, naquele momento, não existia mais ninguém ao nosso redor. Ele chegou perto de mim e me deu um abraço, foi um abraço tão bom, tão apertando, ficamos assim por alguns minutos naquela troca de energia boa e uma cumplicidade, dentro das nossas limitações, era tudo que ele podia fazer nauqle momento, era tudo que eu podia aceitar dele e foi lindo, foi mágico e inesquecível.
Não tivemos nenhum envolvimento, mas eu pude viver um caso de amor em um abraço.
Parece bobagem aos olhos de quem não entende o amor e as dezenas de formas que ele se manifesta, mas foi o suficiente para me realizar.

Desculpe o comentário longo, mas eu precisava contar.

Beijos e saudades de você!!

Verônica

Ácidas e Doces disse...

ah, que história linda, verônica! super imaginei. aliás escrevi este texto justamente pra minha amiga verônica, que aliás é suspirante bem como você.
beijo
kézia